Go to content; Go to main menu; Go to languages.
Menu

Prevenção da anencefalia

 

por Monika Jaquier

 

Se todas as mulheres em idade fértil tomassem 0,4 mg de ácido fólico diariamente antes e pelo menos até o final do primeiro trimestre da gravidez, entre 50 e 70% dos casos potenciais de anencefalia e espinha bífida poderiam ser prevenidos.

 

- O que é um defeito do tubo neural (DTN)?
- O que é anencefalia?
- O que é espinha bífida?
- Por que os DTN ocorrem?
- O que é Ácido Fólico?
- Que papel o Ácido Fólico tem na prevenção de DTN?
- Em que momento e por quanto tempo deve-se tomar Ácido Fólico?
- Quanto de Ácido Fólico deve-se tomar?
- Uma dieta balanceada fornece Ácido Fólico suficiente?
- Que alimentos têm alto teor de Ácido Fólico?
- Efeitos colaterais do Ácido Fólico
- O que mais se deve saber sobre o Ácido Fólico?
- Referências

 

 

O que é um defeito do tubo neural (DTN)?

Um defeito do tubo neural (DTN) é uma malformação congênita que ocorre entre o 20º e 28º dia após a concepção. As células da placa neural formam o sistema nervoso do feto. No desenvolvimento normal, elas dobram sobre si mesmas, a fim de criar o que é chamado de tubo neural, que se torna então o osso da coluna e a medula espinhal. Após uma série de transformações, o pólo superior finalmente se torna o cérebro. Pode-se comparar esse processo a uma moeda cujas bordas se fundem até o centro. No caso de um DTN, o tubo neural não consegue se fechar completamente. O cérebro em crescimento e a medula espinhal ficam então expostos (dependendo da localização da anomalia). As formas mais comuns de DTN são anencefalia e espinha bífida.

 

O que é anencefalia?

A anencefalia ocorre quando a extremidade superior do tubo neural não se fecha. Crianças com esta desordem nascem sem o couro cabeludo ou o cerebelo. A meninge, os dois hemisférios cerebrais e a calota craniana também estão ausentes, embora eles normalmente tenham parte do tronco cerebral. O tecido cerebral restante é protegido apenas por uma fina membrana. O bebê pode ser cego e não ter, ou ter apenas poucos reflexos. 25% das crianças anencéfalas que vivem até o fim da gravidez morrem durante o parto, 50% têm uma expectativa de vida de alguns minutos a um dia e 25% vivem até 10 dias (Jaquier 2006).

 

O que é Espinha bífida?

Se o tubo neural permanece aberto na sua extremidade inferioir, é um caso de Espinha Bífida. A medula espinhal e do osso da coluna não conseguem se desenvolver completamente a as crianças têm uma abertura em suas costas, por onde a bolsa de líquido que contém parte da medula espinhal pode emergir. A extensão da incapacidade permanente depende da localização do defeito no osso da coluna. Quanto maior for a lesão, maiores os riscos de paralisia dos membros inferiores. Quando as lesões são menores, os riscos também são menores e as consequências mais comuns são a falta de controle da bexiga e do intestino. A espinha bífida pode ser agravada por uma hidrocefalia. Crianças com espinha bífida são operadas assim que nascem a fim de prevenir maiores danos para o sistema nervoso.

 

Por que os DTN ocorrem?

Não se sabe o que causa os DTN. Eles são provavelmente desencadeados por uma combinação de fatores genéticos e ambientais (Sadler 2005). Qualquer mulher em idade fértil pode dar à luz a uma criança sofrendo de um DTN. Em nossa região (Suíça), uma criança em cada 1.000 é atingida por um DTN. Não é possível prever quais mulheres terão uma gravidez com DTN. 95% dos DTN afetam mulheres que não têm história familiar para DTN.

 

O que é Ácido Fólico?

O ácido fólico é uma vitamina (uma substância que é essencial para o organismo e que é fornecida em pequenas quantidades pelos alimentos que nós comemos). Pertence ao grupo do complexo B. Ele desempenha papel fundamental na divisão celular. Também é chamado de folato ou folacina. É solúvel em água e é destruído pelo calor.

 

Que papel o Ácido Fólico tem na prevenção de DTN?

O ácido fólico é uma coenzima. Ele desempenha papel importante em muitos metabolismos. O nascituro em desenvolvimento precisa dele para o crescimento de suas células, tecidos e órgãos. Durante essa fase, a necessidade do ácido fólico é mais elevada do que o habitual. Em 1976, cientistas notaram que mulheres que davam à luz bebês com DTN tinham niveis séricos baixos de folatos e baixos níveis de vitaminas em suas hemácias. Em 1980, o professor Smithhells, de Leeds (Reino Unido), conseguiu demonstrar que uma ingestão adicional de 0,4 mg de ácido fólico antes e no início da gravidez reduziam significativamente as taxas de DTN.

Este achado foi confirmado por muitos outros estudos clínicos sérios utilizando um grande número de mulheres (mais de 250.000). A prova conclusiva do efeito preventivo do ácido fólico, mesmo para as mulheres sem história de DTN, veio quando uma pesquisa na Hungria mostrou que, de 2.014 mulheres que tomaram ácido fólico adicional, nenhuma desenvolveu um DTN, enquanto, nas 2.052 que não haviam tomado, 6 casos foram detectados (Czeizel e Dudas, 1992). Uma pesquisa recente sobre a patogênese de DTN sugere que distúrbios ligados à atividade da metionina sintase poderiam ser um dos fatores envolvidos. Esta enzima transforma homocisteina em metionina. Para isso, ele precisa de um grupo metilo que é fornecido pela ingestão de ácido fólico. Se essa transformação não ocorrer, seja devido a uma anomalia enzimática ou devido à falta de ácido fólico, os níveis de homocisteína aumentam. Isso parece evitar o fechamento do Tubo Neural. Uma ingestão acidional de ácido fólico, juntamente com a ingestão de vitamina B12, podem corrigir essa anomalia, que está em parte relacionada com as enzimas. Outros estudos têm mostrado que demais anomalias como malformações cardíacas, labio leporino e fenda palatina e malformações da uretra podem ser prevenidas pela ingestão adicional de ácido fólico (Czeizel 1993, Antony 2000).

 

Em que momento e por quanto tempo deve-se tomar Ácido Fólico?

O ácido fólico deve ser tomado pelo menos 4 semanas antes de uma gravidez planejada. DTNs são defeitos congênitos que ocorrem entre o 20º e 28º dia após a concepção, antes que a maioria das mulheres saiba que está grávida. Como cerca da metade de todas as gestações não são planejadas, é importante incluir, pelo menos, 0,4 miligramas de ácido fólico na dieta de cada mulher em idade fértil. No entanto, para as mulheres que têm a sorte de confirmar a gravidez muito cedo (ou seja, 14 dias após ovulação), e que não tomaram suplemento de ácido fólico antes da concepção, deve-se começar a ingestão imediatamente, pois ainda há tempo para que o suplemento beneficie o embrião em desenvolvimento. Sendo que muitas gestações não são planejadas, a melhor maneira de prevenir estes defeitos de nascimento é que todas as mulheres em idade fértil se assegurem que estão tomando ácido fólico suficiente todos os dias. As mulheres também precisam de mais ácido fólico durante a gravidez e aleitamento. Por isso, é aconselhável continuar a tomar o suplemento após o momento crítico do fechamento do tubo neural.

 

Quanto de Ácido Fólico deve-se tomar?

0,4 mg por dia, além do folato presente nos alimentos. Suplementos multivitamínicos contendo menos do que 0,4 mg de ácido fólico não devem ser tomado em doses mais altas, a fim de aumentar a quantidade de ácido fólico. Uma ingestão elevada de outras vitaminas é prejudicial. O Professor Andrew E. Czeizel apresentou um estudo em 2004 que revelou que as multivitaminas contendo 0,4 a 0,8 mg de ácido fólico eram mais eficazes para a redução de DTN e outras anomalias congênitas do que uma dose elevada de ácido fólico.

 

Uma dieta balanceada fornece Ácido Fólico suficiente?

Infelizmente não. É quase impossível obter ácido fólico suficiente a partir da própria dieta, mesmo que ela tenha um alto teor de ácido fólico. É preciso, portanto, tomar 0,4 mg de ácido fólico em forma de comprimido, e combinar isso a uma dieta rica em ácido fólico, e até mesmo uma dieta reforçada. Em vários países, o Governo sistematicamente tem enriquecido alimentos básicos, como farinha e pão, com ácido fólico

 

Que alimentos têm alto teor de Ácido Fólico?

Legumes: beterraba, aspargo, couve de bruxelas, espinafre, abacate, feijão, lentilhas, alfaces.
Frutas: melão, morango, kiwi.

 

Efeitos colaterais do Ácido Fólico

Se a ingestão for inferior a 10 mg por dia (25 vezes a quantidade normal diária!), não há efeitos colaterais. Em alguns casos isolados, no entanto, pode haver reação alérgica (erupção da pele, broncoespasmo), mesmo quando a ingestão é baixa. A ingestão diária de 15 mg de ácido fólico pode causar agitação, insônia, hiperatividade, náuseas e flatulência. Pode afetar o paladar e resultar em reações alérgicas, como erupções cutâneas, prurido e urticária. A ingestão de mais de 1 mg de ácido fólico por dia pode ocultar uma anemia perniciosa (uma doença que normalmente ocorre apenas entre as idades de 40 e 50 anos).

 

O que mais se deve saber sobre o Ácido Fólico?

Ácido fólico pode diminuir os efeitos de alguns medicamentos prescritos contra a epilepsia.

Alguns medicamentos podem diminuir o nível de ácido fólico, aumentando assim o risco para o feto.

Aqui estão alguns exemplos:

Contraceptivos hormonais (pílula anticoncepcional)
Alguns antiepilépticos (ácido valpróico, carbamazepina)
Alguns antibióticos (bactrim = Trimethroprim, pirimetamina)
Alguns antimetabólicos (metotrexato, aminopterina)
Bebidas alcoólicas

 

Referências:

Antony AC, Hansen DK. 2000. Folate responsive neural tube defects and neurocristopathies. Teratolgoy 62:42-50

Czeizel AE, 1993. Prevention of congenital abnormalities by periconceptional multivitamin supplementation. BMJ 1993;306:1645-1648

Czeizel AE, Dudas I. 1992. Prevention of first occurence of neural tube defects by periconceptional vitamin supplementation. N Engl J Med 327:1832-1835.

Jaquier M, Klein A, Boltshauser E., 2006. Spontaneous pregnancy outcome after prenatal diagnosis of anencephaly, BJOG 2006; 113:951-953

Sadler, T.W., 2005. Embryology of Neural Tube Development. American Journal of Medical Genetics Part C 135C:2-8

Smithells RW, Sheppard S, Schorah CJ. 1976. Vitamin deficiencies and neural tube defects. Arch Dis Child 1976;51:944-950

Smithells RW, Nevin NC, Seller MJ, et al 1983. Further experience of vitamin supplementation for prevention of neural tube defects recurrences. Lancet 1983;1:1027-1031

 

 

última atualização 22.06.2015